O homem das cavernas e a psique

Apesar de uma sociedade civil com tantos avanços tecnológicos, o avanço de conceitos de vivência ainda permanecer estagnado como se nunca tivéssemos tido passado por situações mais desgastantes no passado. No que se diz estrutura material com certeza estamos anos luz a frente da Era Jurássica, porém no âmbito sociológico os desgastes, embates e duelos que travávamos em tempos remotos ainda acontecem no mundo moderno.
No momento em que o homem aprendeu a falar a primeira coisa que ele fez foi reclamar. Pois ele apenas sentia os golpes e devolvia-os com agressividade somente, travando duelos, batalhas e com o derramamento de sangue. Portanto tudo aquilo que o homem já guardava em seu íntimo e não tinha capacidade cognitiva para expressar começou a ser expurgado através de sons guturais que mais adiante foram sendo gravados nas paredes das cavernas.Sendo assim, as primeiras palavras, sons, registros audíveis dos seres das cavernas certamente foram expressos por um sinal de dor retraída.

2 comentários:

Francisco disse...

não adianta, uma coisa é certa: por mais que tenhamos desenvolvido o raciocínio, ele só existe nos animais desde os hominídeos até hoje, enquanto o instinto existe há muitos milhões de anos, quando surgiram animais com essas características. então, se desvencilhar desse lado agressivo talvez nunca ocorra, capaz que só esporadicamente!

Marcelo Fontoura disse...

Correto, porém esse instinto deve ser de certa forma "dominado" pelo Sapiens que existe em nós, pois o nosso Homo Bios (Instinto) domesticado acabará nos servindo de sentinela contra ataques ao nosso campo psiquico. Desenvolvendo esse lado não nos tornaremos insensíveis e nem hipersensíveis.

Postar um comentário