A SOCIEDADE - Educação e julgamentos

É de vital importância se adquirir uma maior autonomia na construção de nossos pensamentos e o treinamento em cada situação de conflito ou falta de uma opinião concreta sobre qualquer assunto. Uma maior destreza na busca por novos elementos para o eterno questionamento que somos submetidos diariamente.
Todo o organismo nasce puro, mas ao abrir os olhos já está contaminado. Todo o ser é por natureza hostil, agressivo, porém, é ingênuo. Zonas de conflito surgem nos primeiros momentos da vida de um ser. Ao chorar, um bebê já está criando seus primeiros atritos com o ambiente. 
1º atrito: meio/pessoa – Situação: o bebê chora porque sente fome e não tem argumentos para comunicar seu anseio naquele momento.
Durante vários estágios da vida, na infância por exemplo, sofremos muita discriminação por não sabermos algo, por não termos “inteligência” suficiente para tal provação… e em todas essas situações, várias áreas de conflito são geradas e em nenhum momento são tratadas como deveriam.
Toda esta inospidade gera personalidades retraídas, com baixa auto-estima e doente. A cada situação de conflito, essa pessoa que já foi maltratada durante toda a sua infância e pré-adolescência, é maltratada e esculachada pela sociedade que não sabe sequer sondar a realidade na qual ela mesma está inserida. Sentimentos como Altruísmo, Carisma, Compaixão são dificílimos de serem encontrado na sua forma mais pura em cada pessoa.
Porém, o mais incrível de tudo é que estas pessoas hostis, grosseiras, violentas não têm total culpa de suas situações, pois, se sua educação é precária e com falsas crenças, quem somos nós para julgá-los? Uma das soluções iniciais para a resolução de tais problemas, seria a aplicação de Debate de idéias e questionamentos profundos sobre causas/razões sobre traumas, medos e toda uma gama de sentimentos mal administrados durante séculos.
A inteligência de cada um se dará pela quantidade de atritos diários subtraídos pelo número de atritos evitados. Somente assim um ser poderá ser considerado humano.

0 comentários:

Postar um comentário